quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Preconceito: você sabe o que é?

Preconceito é uma coisa ruim que incomoda a todo mundo. Ele se manifesta das mais diferentes formas, seja por conta da cor da pele, tamanho da conta bancária, profissão, preferência sexual, peso, tatuagens... enfim, qualquer coisa banal pode ser motivo para julgar e hostilizar o outro.
Caso recente na mídia, o preconceito racial é somente uma das suas formas. Aconteceu que o filho adotivo de um casal de clientes da BMW foi expulso da loja e o caso foi tratado pela empresa como um mal entendido. Os pais criaram uma página no Facebook para chamar atenção da sociedade e lutar contra essa injustiça: Preconceito racial não é mal entendido! Mas como será que essa mãe explicou para seu filho de apenas 7 anos de idade o que é preconceito?
Como a gente explica o que é preconceito para uma criança? Minha sugestão é começar tentando nós mesmos entender do que se trata, porque o que tenho visto é que nem os adultos sabem bem seu significado. Recorri à 2 ótimos dicionários para explicar da melhor forma possível.
PRECONCEITO: ideia, opinião ou sentimento desfavorável formado à priori, sem maior conhecimento, ponderação ou razão. Atitude, sentimento ou parecer inexato, especialmente de natureza hostil, assumido em consequência da generalização apressada de uma experiência pessoal ou imposta pelo meio, intolerância. Estereótipo. Sinonimos: cisma, implicância, prejulgamento, prenoção, repulsão... HOUAISS, Antônio e VILLAR, Mauro. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
PRECONCEITO: opinião ou crença admitida sem ser discutida ou examinada, internalizada pelos indivíduos sem se darem conta disso, e influenciando seu modo de agir e de considerar as coisas. O preconceito é constituído assim por uma visão de mundo ingênua que se transmite culturalmente e reflete crenças, valores e interesses de uma sociedade ou grupo social. O termo possui um sentido eminentemente pejorativo, designando o caráter irrefletido e frequentemente dogmático dessas crenças, que se revestem de uma certeza injustificada. Entretanto, é preciso admitir que nosso pensamento inevitavelmente inclui sempre preconceitos, originários de sua própria formação, sendo tarefa de reflexão crítica precisamente desmascarar os preconceitos e revelar sua falcidade. JAPIASSU, Hilton e MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996. 3a ed.
Então, antes de julgar alguém com base apenas em um estereótipo, pense! Respeito e dignidade são para todos.

2 comentários:

Patrícia Gomes disse...

Sofri preconceito nessa idade pq minhamae era viúva - e linda :-) A dor é indescritível e por mais q minha mae tentasse mil expkicacoes, nada fazia sentido nenhum. O jeito foi aceitar. A dor. A marginalizaçao. Sem entender nada mesmo...

Cristiane Iannacconi disse...

eu tb não entendo, Patricia... não entendo.